Às vésperas do Roadshow stratsphera pelas Universidades, trazemos a comparação entre estratégias sistemáticas e discricionárias de volta à tona. Lembrando que a abordagem sistemática pode apresentar algumas outras nomenclaturas, como quantitativa ou algorítmica.

Se você perdeu o primeiro artigo, recomendamos que clique aqui e faça a leitura antes de continuar.

No texto anterior, foi sugerido que cada um entendesse os prós e contras de ambas as estratégias, antes de fazer a escolha. Diferentes pesquisas1 sugerem que o desempenho delas é semelhante e, como já discutido, elas podem fazer uso das mesmas teorias, mas de maneiras diferentes. Essa decisão, então, será baseada em grande parte na afinidade com a abordagem escolhida. Uns indivíduos saberão lidar com as emoções (no caso discricionário), enquanto outros ficarão confortáveis com a programação (no caso sistemático).

Abordagem stratsphera

Nosso time acredita fortemente na diversificação2 em todas as dimensões de risco: ativos individuais, setores, países e moedas. Essa diversificação só é possível através de intensa análise de dados, transparência no processo de criação das estratégias e disciplina na sua execução.

Além disso, o futuro dos investimentos será cada vez mais sistemático. O investimento em bases de dados alternativos aumenta a cada ano3 e isso reflete a tentativa dos gestores em encontrar novas vantagens competitivas. Outros players quantitativos irão surgir, explorando esses dados e os avanços na tecnologia. E mesmo os gestores discricionários acabarão recorrendo mais e mais aos algoritmos, como uma ferramenta de pesquisa para agilizar suas decisões.

 

1 Lakonishok, Josef and B. Swaminathan (2010), “Quantitative vs. Fundamental,” Canadian Investment Review.
Harvey, Campbell, S. Rattray, A. Sinclair and O. Van Hemert (2016), “Man vs Machine: Comparing Discretionary and Systematic HF Performance,” Man AHL.
AQR Alternative Thinking, Third Quarter 2017, “Systematic versus Discretionary”.

2 Grinold (1989) Fundamental Law of Active Management : se existe uma pequena vantagem, ela pode ser amplificada se aplicada a um maior número de ativos. O sucesso da estratégia é uma função tanto da habilidade (hit rate) quanto da amplitude (número de ativos escolhidos).

3 Financial Times,  “Asset managers double spending on new data in hunt for edge”, 05-09-18.

BrazilUSA